A venda destas proteínas pode render +US$ 150 milhões por ano, calcula secretário do Mapa

A partir de agora, o Brasil tem mais um mercado aberto para exportação de carne suína e bovina in natura: o Canadá. A divulgação foi feita após uma reunião entre representantes do país norte-americano e a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, no dia 14 de março.

Os estados que ainda realizam a vacinação contra a febre aftosa já podem exportar carne bovina para o Canadá. Porém, a carne suína apenas poderá ser vendida pelos produtores do estado de Santa Catarina, por enquanto.

O estado sul-brasileiro é o único reconhecido até o momento como livre de febre aftosa, peste suína clássica e peste suína africana. Paraná e Rio Grande do Sul aguardam o reconhecimento, após pedido encaminhado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

US$ 150 milhões por ano

A estimativa do secretário de Comércio e Relações Internacionais do Mapa, Orlando Leite Ribeiro, é que as exportações destes itens atinjam a ordem de US$ 150 milhões por ano, conforme citado em matéria do Canal Rural.

Tais cifras são justificadas pela inexistência de imposto de importação, no caso da carne suína. Enquanto a carne bovina tem 26,5% de taxa, mas há uma quota da Organização Mundial do Comércio (OMC) que permite a exportação de 76,4 mil toneladas, por parte do Brasil, com tarifa zero, explicou o secretário.

A notícia foi comemorada pelos produtores agropecuários, sobretudo do estado de Santa Catarina. A abertura deste novo mercado viabiliza a redução da dependência da China, no caso da produção de carne suína.

 Fonte: gov.br e Canal Rural